Memória Flash: o que é e sua história

Quando a empresa japonesa Toshiba criou a sua ideia de memória flash nos anos 80, poucas pessoas no mundo notaram quão importante aquilo seria nas próximas décadas, com essa importância crescendo de forma exponencial após o desenvolvimento da tecnologia com o passar dos anos. Você pode até não saber exatamente o que é isso de memória flash, mas com certeza aproveitou ela para tirar centenas de fotos e ter tudo armazenado em um cartão de memória que cabe na palma de sua mão. Ou então parou de levar quilos e quilos de papéis para cima e para baixo e ao invés disso usou um pen drive que pode ser enfiado no bolso da camisa ou da calça para ter milhares de arquivos a apenas um encaixe em um computador qualquer com entrada USB.

A memória flash nada mais é do que um meio, literalmente um pedaço, com um dispositivo que pode guardar coisas, como músicas, vídeos, documentos, entre outras coisas, e você ainda pode apagar a qualquer momento e reutilizar para outras coisas.

Onde está presente a memória flash

Esse tipo de tecnologia está presente em computadores, câmeras fotográficas, filmadoras, celulares, videogames, televisões, PC Flash e mais um grande número de produtos, e un gran otimizador de pc e também pode ser visto em dispositivos que tem o armazenamento como prioridade, como os já citados cartões de memória, pen drives e também em HDs externos.

Quem acompanha os avanços da tecnologia lembra que os primeiros dispositivos desse tipo forneciam tamanhos pequenos, com 512 MB. Quando a Toshiba e a SanDisk inventaram um chip de memória flash de um 1GB em 2006, isso foi um grande marco e a partir daí os números só aumentaram a ritmo alucinante. Pouco tempo depois, tocadores de MP3 e MP4 de 16 GB estavam em plena popularização e hoje pen drives de 32 GB são comuns e HDs externos de até 1 terabyte, que equivale a 1000 gigas, também podem ser encontrados por preços acessíveis.

O material e a ideia se provaram tão bons que os hard drives dos computadores, também, conhecidos como discos-duros, começaram a ser trocados por SSD (Solid State Drive) que usa essa tecnologia. A razão para isso é que os hard drives eram mais pesados, barulhentos, consomem mais energia e ainda são mais lentos que os SSD. Isso é algo que você pode notar perfeitamente caso tenha um desktop mais antigo e ao ligar parece que uma turbina de avião está sendo posta em ação. Hoje, notebooks, que precisam muito de todas as características acima, especialmente leveza, não fazem quase barulho algum quando conectados, apenas quando ele sobreaquece e a ventoinha é automaticamente ligada.

As melhoras que a memória flash trouxe

Desde que foi criada nos anos 80 no Japão, a memória flash é uma das evoluções mais interessantes do mundo da nanotecnologia, já que suas benesses não ficaram restritas a algum experimento ou máquina de alto custo. O desenvolvimento desse semicondutor é algo aproveitado por boa parte da população mundial cada vez que se liga um celular leve, um notebook rápido ou se usa um pen drive para passar algo de um computador para outro. Além disso, benefícios como o impacto ambiental não podem ser descartados: só a criação do pen drive e o cartão de memória fizeram com que a necessidade de imprimir documentos e fotos seja algo muito mais ocasional do que 15, 20 anos atrás, poupando florestas inteiras.

Assim, a indústria que usa memória flash e que movimenta mais de US$ 20 bilhões de dólares, segundo o TG Daily, foi criada para mudar a forma como usamos esses tão importantes acessórios no dia a dia.

 

Leave a Reply